Laço de Eventos

Código-fonte: Lib/asyncio/events.py, Lib/asyncio/base_events.py


Prefácio

O laço de eventos é o núcleo de toda aplicação asyncio. Laços de eventos executam tarefas e funções de retorno assíncronas, realizam operações de entrada e saída e executam subprocessos.

Os desenvolvedores de aplicação normalmente devem usar as funções asyncio de alto nível, como asyncio.run(), e devem raramente precisar fazer referência ao objeto de loop ou chamar seus métodos. Esta seção destina-se principalmente a autores de código de baixo nível, bibliotecas e frameworks, que precisam de um controle mais preciso sobre o comportamento do laço de evento.

Obtendo o laço de eventos

As seguintes funções baixo nível podem ser usadas para obter, definir, ou criar um laço de eventos:

asyncio.get_running_loop()

Retorna o laço de eventos em execução na thread atual do sistema operacional.

Se não existir nenhum laço de eventos em execução, um RuntimeError é levantado. Esta função somente pode ser chamada a partir de uma corrotina ou uma função de retorno.

Novo na versão 3.7.

asyncio.get_event_loop()

Obtém o laço de eventos atual.

Se não existe nenhum laço de eventos definido na thread atual do sistema operacional, é a thread principal do sistema operacional, e set_event_loop() ainda não foi chamada, asyncio irá criar um novo laço de eventos e defini-lo como o atual.

Devido ao fato desta função ter um comportamento particularmente complexo (especialmente quando políticas de laço de eventos customizadas estão sendo usadas), usar a função get_running_loop() é preferido ao invés de get_event_loop() em corrotinas e funções de retorno.

Considere também usar a função asyncio.run() ao invés de usar funções de baixo nível para manualmente criar e fechar um laço de eventos.

asyncio.set_event_loop(loop)

Define loop como o laço de eventos atual para a thread atual do sistema operacional.

asyncio.new_event_loop()

Cria um novo objeto de laço de eventos.

Perceba que o comportamento das funções get_event_loop(), set_event_loop(), e new_event_loop() podem ser alteradas definindo uma política de laço de eventos customizada.

Conteúdo

Esta página de documentação contém as seguintes seções:

Métodos do laço de eventos

Laços de eventos possuem APIs de baixo nível para as seguintes situações:

Executar e interromper o laço

loop.run_until_complete(future)

Executar até que o future (uma instância da classe Future) seja completada.

Se o argumento é um objeto corrotina, ele é implicitamente agendado para executar como uma asyncio.Task.

Retorna o resultado do Future ou levanta sua exceção.

loop.run_forever()

Executa o laço de eventos até que stop() seja chamado.

Se stop() for chamado antes que run_forever() seja chamado, o laço irá pesquisar o seletor de E/S uma vez com um tempo limite de zero, executar todas as funções de retorno agendadas na resposta de eventos de E/S (e aqueles que já estavam agendados), e então sair.

Se stop() for chamado enquanto run_forever() estiver executando, o laço irá executar o lote atual de funções de retorno e então sair. Perceba que novas funções de retorno agendadas por funções de retorno não serão executadas neste caso; ao invés disso, elas serão executadas na próxima vez que run_forever() ou run_until_complete() forem chamadas.

loop.stop()

Para o laço de eventos.

loop.is_running()

Retorna True se o laço de eventos estiver em execução.

loop.is_closed()

Retorna True se o laço de eventos foi fechado.

loop.close()

Fecha o laço de eventos.

O laço não deve estar em execução quando esta função for chamada. Qualquer função de retorno pendente será descartada.

Este método limpa todas as filas e desliga o executor, mas não aguarda pelo encerramento do executor.

Este método é idempotente e irreversível. Nenhum outro método deve ser chamado depois que o laço de eventos esteja fechado.

coroutine loop.shutdown_asyncgens()

Agenda todos os objetos geradores assíncronos atualmente abertos para serem fechados com uma chamada aclose(). Após chamar este método, o laço de eventos emitirá um aviso se um novo gerador assíncrono for iterado. Isso deve ser utilizado para finalizar de forma confiável todos os geradores assíncronos agendados.

Perceba que não é necessário chamar esta função quando asyncio.run() for usado.

Exemplo:

try:
    loop.run_forever()
finally:
    loop.run_until_complete(loop.shutdown_asyncgens())
    loop.close()

Novo na versão 3.6.

coroutine loop.shutdown_default_executor()

Agenda o encerramento do executor padrão e aguarda ele se juntar a todas as threads no ThreadPoolExecutor. Após chamar este método, um RuntimeError será levantado se loop.run_in_executor() for chamado enquanto estiver usando o executor padrão.

Perceba que não é necessário chamar esta função quando asyncio.run() for usado.

Novo na versão 3.9.

Agendando funções de retorno

loop.call_soon(callback, *args, context=None)

Agenda a função de retorno callback para ser chamada com argumentos args na próxima iteração do laço de eventos.

Funções de retorno são chamadas na ordem em que elas foram registradas. Cada função de retorno será chamada exatamente uma vez.

Um argumento opcional somente-nomeado context permite especificar um contextvars.Context customizado para executar na função de retorno. O contexto atual é usado quando nenhum context é fornecido.

Uma instância de asyncio.Handle é retornado, o qual pode ser usado posteriormente para cancelar a função de retorno.

Este método não é seguro para thread.

loop.call_soon_threadsafe(callback, *args, context=None)

Uma variante segura para thread do call_soon(). Deve ser usada para agendar funções de retorno a partir de outra thread.

Raises RuntimeError if called on a loop that’s been closed. This can happen on a secondary thread when the main application is shutting down.

Veja a seção concorrência e multithreading da documentação.

Alterado na versão 3.7: O parâmetro somente-nomeado context foi adicionado. Veja PEP 567 para mais detalhes.

Nota

Maior parte das funções de agendamento asyncio não permite passar argumentos nomeados. Para fazer isso, use functools.partial():

# will schedule "print("Hello", flush=True)"
loop.call_soon(
    functools.partial(print, "Hello", flush=True))

Usar objetos parciais é usualmente mais conveniente que usar lambdas, pois asyncio pode renderizar objetos parciais melhor durante debug e mensagens de erro.

Agendando funções de retorno atrasadas

Laço de eventos fornece mecanismos para agendar funções de retorno para serem chamadas em algum ponto no futuro. Laço de eventos usa relógios monotônico para acompanhar o tempo.

loop.call_later(delay, callback, *args, context=None)

Agenda callback para ser chamada após o delay número de segundos fornecido (pode ser um inteiro ou um ponto flutuante).

Uma instância de asyncio.TimerHandle é retornada, a qual pode ser usada para cancelar a função de retorno.

callback será chamada exatamente uma vez. Se duas funções de retorno são agendadas para exatamente o mesmo tempo, a ordem na qual elas são chamadas é indefinida.

O args posicional opcional será passado para a função de retorno quando ela for chamada. Se você quiser que a função de retorno seja chamada com argumentos nomeados, use functools.partial().

Um argumento opcional somente-nomeado context permite especificar um contextvars.Context customizado para executar na função de retorno. O contexto atual é usado quando nenhum context é fornecido.

Alterado na versão 3.7: O parâmetro somente-nomeado context foi adicionado. Veja PEP 567 para mais detalhes.

Alterado na versão 3.8: No Python 3.7 e anterior, com a implementação padrão do laço de eventos, o delay não poderia exceder um dia. Isto foi ajustado no Python 3.8.

loop.call_at(when, callback, *args, context=None)

Agenda callback para ser chamada no timestamp absoluto fornecido when (um inteiro ou um ponto flutuante), usando o mesmo horário de referência que loop.time().

O comportamento deste método é o mesmo que call_later().

Uma instância de asyncio.TimerHandle é retornada, a qual pode ser usada para cancelar a função de retorno.

Alterado na versão 3.7: O parâmetro somente-nomeado context foi adicionado. Veja PEP 567 para mais detalhes.

Alterado na versão 3.8: No Python 3.7 e anterior, com a implementação padrão do laço de eventos, a diferença entre when e o horário atual não poderia exceder um dia. Isto foi ajustado no Python 3.8.

loop.time()

Retorna o horário atual, como um valor float, de acordo com o relógio monotônico interno do laço de eventos.

Nota

Alterado na versão 3.8: No Python 3.7 e anterior, tempos limites (delay relativo ou when absoluto) não poderiam exceder um dia. Isto foi ajustado no Python 3.8.

Ver também

A função asyncio.sleep().

Criando Futures e Tasks

loop.create_future()

Cria um objeto asyncio.Future atachado ao laço de eventos.

Este é o modo preferido para criar Futures em asyncio. Isto permite que laços de eventos de terceiros forneçam implementações alternativas do objeto Future (com melhor desempenho ou instrumentação).

Novo na versão 3.5.2.

loop.create_task(coro, *, name=None)

Agenda a execução de uma Corrotinas. Retorna um objeto Task.

Laços de eventos de terceiros podem usar suas próprias subclasses de Task para interoperabilidade. Neste caso, o tipo do resultado é uma subclasse de Task.

Se o argumento name for fornecido e não é None, ele é definido como o nome da tarefa, usando Task.set_name().

Alterado na versão 3.8: Adicionado o parâmetro name.

loop.set_task_factory(factory)

Define a factory da tarefa que será usada por loop.create_task().

Se factory for None, a factory da task padrão será definida. Caso contrário, factory deve ser algo chamável com a assinatura coincidindo com (loop, coro), onde loop é uma referência para o laço de eventos ativo, e coro é um objeto corrotina. O objeto chamável deve retornar um objeto compatível com asyncio.Future.

loop.get_task_factory()

Retorna uma factory de tarefa ou None se a factory padrão estiver em uso.

Abrindo conexões de rede

coroutine loop.create_connection(protocol_factory, host=None, port=None, *, ssl=None, family=0, proto=0, flags=0, sock=None, local_addr=None, server_hostname=None, ssl_handshake_timeout=None, happy_eyeballs_delay=None, interleave=None)

Abre uma conexão de transporte para streaming, para um endereço fornecido, especificado por host e port.

A família de soquetes pode ser AF_INET ou AF_INET6 dependendo do host (ou do argumento family, se fornecido).

O tipo de soquete será SOCK_STREAM.

protocol_factory deve ser um chamável que retorne uma implementação do protocolo asyncio.

Este método tentará estabelecer a conexão em segundo plano. Quando tiver sucesso, ele retorna um par (transport, protocol).

A sinopse cronológica da operação subjacente é conforme abaixo:

  1. A conexão é estabelecida e um transporte é criado para ela.

  2. protocol_factory é chamada sem argumentos e é esperada que retorne uma instância de protocolo.

  3. A instância de protocolo é acoplada com o transporte, através da chamada do seu método connection_made().

  4. Uma tupla (transport, protocol) é retornada ao ter sucesso.

O transporte criado é um stream bi-direcional dependente de implementação.

Outros argumentos:

  • ssl: se fornecido e não for falso, um transporte SSL/TLS é criado (por padrão um transporte TCP simples é criado). Se ssl for um objeto ssl.SSLContext, este contexto é usado para criar o transporte; se ssl for True, um contexto padrão retornado de ssl.create_default_context() é usado.

  • server_hostname define ou substitui o hostname que o certificado do servidor de destino será pareado contra. Deve ser passado apenas se ssl não for None. Por padrão o valor do argumento host é usado. Se host for vazio, não existe valor padrão e você deve passar um valor para server_hostname. Se server_hostname for uma string vazia, o pareamento de hostname é desabilitado (o que é um risco de segurança sério, permitindo ataques potenciais man-in-the-middle).

  • family, proto, flags são os endereços familiares, protocolos e sinalizadores opcionais a serem passados por getaddrinfo() para resolução do host. Se fornecidos, eles devem ser todos inteiros e constantes correspondentes do módulo socket.

  • happy_eyeballs_delay, se fornecido, habilita Happy Eyeballs para esta conexão. Ele deve ser um número de ponto flutuante representando o tempo em segundos para aguardar uma tentativa de conexão encerrar, antes de começar a próxima tentativa em paralelo. Este é o “Atraso na tentativa de conexão” conforme definido na RFC 8305. Um valor padrão sensível recomendado pela RFC é``0.25`` (250 millisegundos).

  • interleave controla o reordenamento de endereços quando um nome de servidor resolve para múltiplos endereços IP. Se 0 ou não especificado, nenhum reordenamento é feito, e endereços são tentados na ordem retornada por getaddrinfo(). Se um inteiro positivo for especificado, os endereços são intercalados por um endereço familiar, e o inteiro fornecido é interpretado como “Contagem da família do primeiro endereço” conforme definido na RFC 8305. O padrão é 0 se happy_eyeballs_delay não for especificado, e 1 se ele for.

  • sock, se fornecido, deve ser um objeto socket.socket já existente, já conectado, para ser usado por transporte. Se sock é fornecido, host, port, family, proto, flags, happy_eyeballs_delay, interleave e local_addr não devem ser especificados.

  • local_addr, se fornecido, é uma tupla de (local_host, local_port) usada para se ligar ao soquete localmente. O local_host e a local_port são procurados usando getaddrinfo(), de forma similar para host e port.

  • ssl_handshake_timeout é (para uma conexão TLS) o tempo em segundos para aguardar pelo encerramento do aperto de mão TLS, antes de abortar a conexão. 60.0 segundos se for``None`` (valor padrão).

Novo na versão 3.8: Adicionados os parâmetros happy_eyeballs_delay e interleave.

Algoritmo Happy Eyeballs: Sucesso com servidores de pilha dupla. Quando o endereço e protocolo de um servidor IPv4 estão funcionando, mas o endereço e protocolo de um servidor IPv6 não estão, uma aplicação cliente de pilha dupla experiência atraso de conexão significativo comparado com um cliente puramente IPv4. Isso é indesejável porque causa o cliente de pilha dupla a ter uma experiência de usuário pior. Este documento espeifica requisitos para algoritmos, que reduzem esse atraso visível pelo usuário e fornece um algoritmo.

Para mais informações: https://tools.ietf.org/html/rfc6555

Novo na versão 3.7: O parâmetro ssl_handshake_timeout.

Alterado na versão 3.6: A opção de soquete TCP_NODELAY é definida por padrão para todas as conexões TCP.

Alterado na versão 3.5: Adicionado suporte para SSL/TLS na ProactorEventLoop.

Ver também

A função open_connection() é uma API alternativa de alto nível. Ela retorna um par de (StreamReader, StreamWriter) que pode ser usado diretamente em código async/await.

coroutine loop.create_datagram_endpoint(protocol_factory, local_addr=None, remote_addr=None, *, family=0, proto=0, flags=0, reuse_address=None, reuse_port=None, allow_broadcast=None, sock=None)

Nota

O parâmetro reuse_address não é mais suportado, assim como usar SO_REUSEADDR representa uma preocupação de segurança significativa para UDP. Passar reuse_address=True explicitamente irá levantar uma exceção.

Quando múltiplos processos com diferentes UIDs atribuem soquetes para um endereço de soquete UDP idêntico com SO_REUSEADDR, pacotes recebidos podem ser distribuídos aleatoriamente entre os soquetes.

Para plataformas suportadas, reuse_port pode ser usado como um substituto para funcionalidades similares. Com reuse_port, SO_REUSEPORT é usado ao invés, o qual especificamente previne processos com diferentes UIDs de atribuir soquetes para o mesmo endereço do soquete.

Cria uma conexão de datagrama.

A família de soquetes pode ser AF_INET, AF_INET6, ou AF_UNIX, dependendo do host (ou do argumento family, se fornecido).

O tipo de soquete será SOCK_DGRAM.

protocol_factory deve ser algo chamável, retornando uma implementação de protocolo.

Uma tupla de (transport, protocol) é retornada em caso de sucesso.

Outros argumentos:

  • local_addr, se fornecido, é uma tupla de (local_host, local_port) usada para ligar o soquete localmente. O local_host e a local_port são procurados usando getaddrinfo().

  • remote_addr, se fornecido, é uma tupla de (remote_host, remote_port) usada para conectar o soquete a um endereço remoto. O remote_host e a remote_port são procurados usando getaddrinfo().

  • family, proto, flags são os endereços familiares, protocolo e flags opcionais a serem passados para getaddrinfo() para resolução do host. Se fornecido, esses devem ser todos inteiros do módulo de constantes socket correspondente.

  • reuse_port avisa o kernel para permitir este endpoint para ser ligado a mesma porta da mesma forma que outros endpoints existentes estão ligados a, contanto que todos eles definam este flag quando forem criados. Esta opção não é suportada no Windows e em alguns sistemas Unix. Se a constante SO_REUSEPORT não estiver definida, então esta capacidade não é suportada.

  • allow_broadcast avisa o kernel para permitir que este endpoint envie mensagens para o endereço de broadcast.

  • sock pode opcionalmente ser especificado em ordem para usar um objeto socket.socket pre-existente, já conectado, para ser usado pelo transporte. Se especificado, local_addr e remote_addr devem ser omitidos (devem ser None).

Veja protocolo UDP eco cliente e protocolo UDP eco servidor para exemplos.

Alterado na versão 3.4.4: Os parâmetros family, proto, flags, reuse_address, reuse_port, *allow_broadcast, e sock foram adicionados.

Alterado na versão 3.8.1: O parâmetro reuse_address não é mais suportado devido a preocupações de segurança.

Alterado na versão 3.8: Adicionado suporte para Windows.

coroutine loop.create_unix_connection(protocol_factory, path=None, *, ssl=None, sock=None, server_hostname=None, ssl_handshake_timeout=None)

Cria uma conexão Unix.

A família de soquete será AF_UNIX; o tipo de soquete será SOCK_STREAM.

Uma tupla de (transport, protocol) é retornada em caso de sucesso.

path é o nome de um soquete de domínio Unix e é obrigatório, a não ser que um parâmetro sock seja esecificado. Soquetes Unix abstratos, str, bytes, e caminhos Path são suportados.

Veja a documentação do método loop.create_connection() para informações a respeito de argumentos para este método.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.7: O parâmetro ssl_handshake_timeout.

Alterado na versão 3.7: O parâmetro path agora pode ser um objeto caminho ou similar.

Criando servidores de rede

coroutine loop.create_server(protocol_factory, host=None, port=None, *, family=socket.AF_UNSPEC, flags=socket.AI_PASSIVE, sock=None, backlog=100, ssl=None, reuse_address=None, reuse_port=None, ssl_handshake_timeout=None, start_serving=True)

Cria um servidor TCP (tipo de soquete SOCK_STREAM) escutando em port do entedeço host.

Retorna um objeto Server.

Argumentos:

  • protocol_factory deve ser algo chamável, retornando uma implementação de protocolo.

  • O parâmetro host pode ser definido para diversos tipos, o qual determina onde o servidor deve escutar:

    • Se host for uma string, o servidor TCP está vinculado a apenas uma interface de rede, especificada por host.

    • Se host é uma sequência de strings, o servidor TCP está vinculado a todas as interfaces de rede especificadas pela sequência.

    • Se host é uma string vazia ou None, todas as interfaces são assumidas e uma lista de múltiplos soquetes será retornada (muito provavelmente um para IPv4 e outro para IPv6).

  • family pode ser definido para socket.AF_INET ou AF_INET6 para forçar o soquete a usar IPv4 ou IPv6. Se não for definido, family será determinado a partir do nome do servidor (por padrão será AF_UNSPEC).

  • flags é uma máscara de bits para getaddrinfo().

  • sock pode opcionalmente ser especificado para usar um objeto soquete pré-existente. Se especificado, host e port não devem ser especificados.

  • backlog é o número máximo de conexões enfileiradas pasadas para listen() (padrão é 100).

  • ssl pode ser definido para uma instância de SSLContext para habilitar TLS sobre as conexões aceitas.

  • reuse_address diz ao kernel para reusar um soquete local em estado TIME_WAIT, serm aguardar pela expiração natural do seu tempo limite. Se não especificado, será automaticamente definida como True no Unix.

  • reuse_port diz ao kernel para permitir que este endpoint seja vinculado a mesma porta que outros endpoints existentes estão vinculados, contanto que todos eles definam este sinalizador quando forem criados. Esta opção não é suportada no Windows.

  • ssl_handshake_timeout é (para um servidor TLS) o tempo em segundos para aguardar pelo aperto de mão TLS ser concluído, antes de abortar a conexão. 60.0 segundos se None (valor padrão).

  • Definir start_serving para True (o valor padrão) faz o servidor criado começar a aceitar conexões imediatamente. Quando definido para False, o usuário deve aguardar com Server.start_serving() ou Server.serve_forever() para fazer o servidor começar a aceitar conexões.

Novo na versão 3.7: Adicionados os parâmetros ssl_handshake_timeout e start_serving.

Alterado na versão 3.6: A opção de soquete TCP_NODELAY é definida por padrão para todas as conexões TCP.

Alterado na versão 3.5: Adicionado suporte para SSL/TLS na ProactorEventLoop.

Alterado na versão 3.5.1: O parâmetro host pode ser uma sequência de strings.

Ver também

A função start_server() é uma API alternativa de alto nível que retorna um par de StreamReader e StreamWriter que pode ser usado em um código async/await.

coroutine loop.create_unix_server(protocol_factory, path=None, *, sock=None, backlog=100, ssl=None, ssl_handshake_timeout=None, start_serving=True)

Similar a loop.create_server(), mas trabalha com a família de soquete AF_UNIX.

path é o nome de um soquete de domínio Unix, e é obrigatório, a não ser que um argumento sock seja fornecido. Soquetes Unix abstratos, str, bytes, e caminhos Path são suportados.

Veja a documentação do método loop.create_server() para informações sobre argumentos para este método.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.7: Os parâmetros ssl_handshake_timeout e start_serving.

Alterado na versão 3.7: O parâmetro path agora pode ser um objeto Path.

coroutine loop.connect_accepted_socket(protocol_factory, sock, *, ssl=None, ssl_handshake_timeout=None)

Envolve uma conexão já aceita em um par transporte/protocolo.

Este método pode ser usado por servidores que aceitam conexões fora do asyncio, mas que usam asyncio para manipulá-las.

Parâmetros:

  • protocol_factory deve ser algo chamável, retornando uma implementação de protocolo.

  • sock é um objeto soquete pré-existente retornado a partir de socket.accept.

  • ssl pode ser definido para um SSLContext para habilitar SSL sobre as conexões aceitas.

  • ssl_handshake_timeout é (para uma conexão SSL) o tempo em segundos para aguardar pelo aperto de mão SSL ser concluído, antes de abortar a conexão. 60.0 segundos se None (valor padrão).

Retorna um par (transport, protocol).

Novo na versão 3.7: O parâmetro ssl_handshake_timeout.

Novo na versão 3.5.3.

Transferindo arquivos

coroutine loop.sendfile(transport, file, offset=0, count=None, *, fallback=True)

Envia um file sobre um transport. Retorna o número total de bytes enviados.

O método usa os.sendfile() de alto desempenho, se disponível.

file deve ser um objeto arquivo regular aberto em modo binário.

offset indica a partir de onde deve iniciar a leitura do arquivo. Se especificado, count é o número total de bytes para transmitir, ao contrário de transmitir o arquivo até que EOF seja atingido. A posição do arquivo é sempre atualizada, mesmo quando este método levanta um erro, e file.tell() pode ser usado para obter o número atual de bytes enviados.

fallback definido para True faz o asyncio manualmente ler e enviar o arquivo quando a plataforma não suporta a chamada de sistema sendfile (por exemplo Windows ou soquete SSL no Unix).

Levanta SendfileNotAvailableError se o sistema não suporta a chamada de sistema sendfile e fallback é False.

Novo na versão 3.7.

Atualizando TLS

coroutine loop.start_tls(transport, protocol, sslcontext, *, server_side=False, server_hostname=None, ssl_handshake_timeout=None)

Atualiza um conexão baseada em transporte existente para TLS.

Retorna uma nova instância de transporte, que o protocol deve começar a usar imediatamente após o await. A instância de transport passada para o método start_tls nunca deve ser usada novamente.

Parâmetros:

  • instâncias de transport e protocol, que métodos como create_server() e create_connection() retornam.

  • sslcontext: uma instância configurada de SSLContext.

  • server_side informe True quando uma conexão no lado do servidor estiver sendo atualizada (como a que é criada por create_server()).

  • server_hostname: define ou substitui o nome do host no qual o servidor alvo do certificado será comparado.

  • ssl_handshake_timeout é (para uma conexão TLS) o tempo em segundos para aguardar pelo encerramento do aperto de mão TLS, antes de abortar a conexão. 60.0 segundos se for``None`` (valor padrão).

Novo na versão 3.7.

Observando descritores de arquivo

loop.add_reader(fd, callback, *args)

Começa a monitorar o descritor de arquivo fd para disponibilidade de leitura e invoca a callback com os argumentos especificados assim que fd esteja disponível para leitura.

loop.remove_reader(fd)

Para de monitorar o descritor de arquivo fd para disponibilidade de leitura.

loop.add_writer(fd, callback, *args)

Começa a monitorar o descritor de arquivo fd para disponibilidade de escrita e invoca a callback com os argumentos especificados assim que fd esteja disponível para escrita.

Use functools.partial() para passar argumentos nomeados para a callback.

loop.remove_writer(fd)

Para de monitorar o descritor de arquivo fd para disponibilidade de escrita.

Veja também a seção de Suporte a Plataformas para algumas limitações desses métodos.

Trabalhando com objetos soquete diretamente

Em geral, implementações de protocolo que usam APIs baseadas em transporte, tais como loop.create_connection() e loop.create_server() são mais rápidas que implementações que trabalham com soquetes diretamente. Entretanto, existem alguns casos de uso quando o desempenho não é crítica, e trabalhar com objetos socket diretamente é mais conveniente.

coroutine loop.sock_recv(sock, nbytes)

Recebe até nbytes do sock. Versão assíncrona de socket.recv().

Retorna os dados recebidos como um objeto de bytes.

sock deve ser um soquete não bloqueante.

Alterado na versão 3.7: Apesar deste método sempre ter sido documentado como um método de corrotina, versões anteriores ao Python 3.7 retornavam um Future. Desde o Python 3.7 este é um método async def.

coroutine loop.sock_recv_into(sock, buf)

Dados recebidos do sock no buffer buf. Modelado baseado no método bloqueante socket.recv_into().

Retorna o número de bytes escritos no buffer.

sock deve ser um soquete não bloqueante.

Novo na versão 3.7.

coroutine loop.sock_sendall(sock, data)

Envia data para o soquete sock. Versão assíncrona de socket.sendall().

Este método continua a enviar para o soquete até que todos os dados em data tenham sido enviados ou um erro ocorra. None é retornado em caso de sucesso. Ao ocorrer um erro, uma exceção é levantada. Adicionalmente, não existe nenhuma forma de determinar quantos dados, se algum, foram processados com sucesso pelo destinatário na conexão.

sock deve ser um soquete não bloqueante.

Alterado na versão 3.7: Apesar deste método sempre ter sido documentado como um método de corrotina, antes do Python 3.7 ele retornava um Future. A partir do Python 3.7, este é um método async def.

coroutine loop.sock_connect(sock, address)

Conecta o sock em um endereço address remoto.

Versão assíncrona de socket.connect().

sock deve ser um soquete não bloqueante.

Alterado na versão 3.5.2: address não precisa mais ser resolvido. sock_connect irá tentar verificar se address já está resolvido chamando socket.inet_pton(). Se não estiver, loop.getaddrinfo() será usado para resolver address.

coroutine loop.sock_accept(sock)

Aceita uma conexão. Modelado baseado no método bloqueante socket.accept().

O soquete deve estar vinculado a um endereço e escutando por conexões. O valor de retorno é um par (conn, address) onde conn é um novo objeto de soquete usável para enviar e receber dados na conexão, e address é o endereço vinculado ao soquete no outro extremo da conexão.

sock deve ser um soquete não bloqueante.

Alterado na versão 3.7: Apesar deste método sempre ter sido documentado como um método de corrotina, antes do Python 3.7 ele retornava um Future. Desde o Python 3.7, este é um método async def.

coroutine loop.sock_sendfile(sock, file, offset=0, count=None, *, fallback=True)

Envia um arquivo usando os.sendfile de alto desempenho se possível. Retorna o número total de bytes enviados.

Versão assíncrona de socket.sendfile().

sock deve ser um socket socket.SOCK_STREAM não bloqueante.

file deve ser um objeto arquivo regular aberto em modo binário.

offset indica a partir de onde deve iniciar a leitura do arquivo. Se especificado, count é o número total de bytes para transmitir, ao contrário de transmitir o arquivo até que EOF seja atingido. A posição do arquivo é sempre atualizada, mesmo quando este método levanta um erro, e file.tell() pode ser usado para obter o número atual de bytes enviados.

fallback, quando definido para True, faz asyncio ler e enviar manualmente o arquivo, quando a plataforma não suporta a chamada de sistema sendfile (por exemplo Windows ou soquete SSL no Unix).

Levanta SendfileNotAvailableError se o sistema não suporta chamadas de sistema sendfile e fallback é False.

sock deve ser um soquete não bloqueante.

Novo na versão 3.7.

DNS

coroutine loop.getaddrinfo(host, port, *, family=0, type=0, proto=0, flags=0)

Versão assíncrona de socket.getaddrinfo().

coroutine loop.getnameinfo(sockaddr, flags=0)

Versão assíncrona de socket.getnameinfo().

Alterado na versão 3.7: Ambos os métodos getaddrinfo e getnameinfo sempre foram documentados para retornar uma corrotina, mas antes do Python 3.7 eles estavam, na verdade, retornando objetos asyncio.Future. A partir do Python 3.7, ambos os métodos são corrotinas.

Trabalhando com encadeamentos

coroutine loop.connect_read_pipe(protocol_factory, pipe)

Registra o extremo da leitura de um pipe no laço de eventos.

protocol_factory deve ser um chamável que retorne uma implementação do protocolo asyncio.

pipe é um objeto arquivo ou similar.

Retorna um par (transport, protocol), onde transport suporta a interface ReadTransport e protocol é um objeto instanciado pelo protocol_factory.

Com o SelectorEventLoop do laço de eventos, o pipe é definido para modo não bloqueante.

coroutine loop.connect_write_pipe(protocol_factory, pipe)

Registra o extremo de escrita do pipe no laço de eventos.

protocol_factory deve ser um chamável que retorne uma implementação do protocolo asyncio.

pipe é um objeto arquivo ou similar.

Retorna um part (transport, protocol), onde transport suporta a interface WriteTransport e protocol é um objeto instanciado pelo protocol_factory.

Com o SelectorEventLoop do laço de eventos, o pipe é definido para modo não bloqueante.

Nota

SelectorEventLoop não suporta os métodos acima no Windows. Use ProactorEventLoop ao invés para Windows.

Ver também

Os métodos loop.subprocess_exec() e loop.subprocess_shell().

Sinais Unix

loop.add_signal_handler(signum, callback, *args)

Define callback como o tratador para o sinal signum.

A função de retorno será invocada pelo loop, juntamente com outras funções de retorno enfileiradas e corrotinas executáveis daquele laço de eventos. Ao contrário de tratadores de sinal registrados usando signal.signal(), uma função de retorno registrada com esta função tem autorização para interagir com o laço de eventos.

Levanta ValueError se o número do sinal é inválido ou impossível de capturar. Levanta RuntimeError se existe um problema definindo o tratador.

Use functools.partial() para passar argumentos nomeados para a callback.

Assim como signal.signal(), esta função deve ser invocada na thread principal.

loop.remove_signal_handler(sig)

Remove o tratador para o sinal sig.

Retorna True se o tratador de sinal foi removido, ou False se nenhum tratador foi definido para o sinal fornecido.

Disponibilidade: Unix.

Ver também

O módulo signal.

Executando código em conjuntos de threads ou processos

awaitable loop.run_in_executor(executor, func, *args)

Providencia para a func ser chamada no executor especificado.

O argumento executor deve ser uma instância concurrent.futures.Executor. O executor padrão é usado se executor for None.

Exemplo:

import asyncio
import concurrent.futures

def blocking_io():
    # File operations (such as logging) can block the
    # event loop: run them in a thread pool.
    with open('/dev/urandom', 'rb') as f:
        return f.read(100)

def cpu_bound():
    # CPU-bound operations will block the event loop:
    # in general it is preferable to run them in a
    # process pool.
    return sum(i * i for i in range(10 ** 7))

async def main():
    loop = asyncio.get_running_loop()

    ## Options:

    # 1. Run in the default loop's executor:
    result = await loop.run_in_executor(
        None, blocking_io)
    print('default thread pool', result)

    # 2. Run in a custom thread pool:
    with concurrent.futures.ThreadPoolExecutor() as pool:
        result = await loop.run_in_executor(
            pool, blocking_io)
        print('custom thread pool', result)

    # 3. Run in a custom process pool:
    with concurrent.futures.ProcessPoolExecutor() as pool:
        result = await loop.run_in_executor(
            pool, cpu_bound)
        print('custom process pool', result)

asyncio.run(main())

Este método retorna um objeto asyncio.Future.

Use functools.partial() para passar argumentos nomeados para func.

Alterado na versão 3.5.3: loop.run_in_executor() não configura mais o atributo max_workers do executor do conjunto de thread que ele cria, ao invés disso ele deixa para o executor do conjunto de thread (ThreadPoolExecutor) para setar o valor padrão.

loop.set_default_executor(executor)

Define executor como o executor padrão usado por run_in_executor(). executor deve ser uma instância de ThreadPoolExecutor.

Obsoleto desde a versão 3.8: Usar um executor que não é uma instância de ThreadPoolExecutor foi descontinuado, e irá disparar um erro no Python 3.9.

executor deve ser uma instância de concurrent.futures.ThreadPoolExecutor.

Tratando erros da API

Permite customizar como exceções são tratadas no laço de eventos.

loop.set_exception_handler(handler)

Define handler como o novo tratador de exceções do laço de eventos.

Se handler for None, o tratador de exceções padrão será definido. Caso contrário, handler deve ser um chamável com a assinatura combinando (loop, context), onde loop é a referência para o laço de eventos ativo, e context é um objeto dict contendo os detalhes da exceção (veja a documentação call_exception_handler() para detalhes a respeito do contexto).

loop.get_exception_handler()

Retorna o tratador de exceção atual, ou None se nenhum tratador de exceção customizado foi definido.

Novo na versão 3.5.2.

loop.default_exception_handler(context)

Tratador de exceção padrão.

Isso é chamado quando uma exceção ocorre e nenhum tratador de exceção foi definido. Isso pode ser chamado por um tratador de exceção customizado que quer passar adiante para o comportamento do tratador padrão.

parâmetro context tem o mesmo significado que em call_exception_handler().

loop.call_exception_handler(context)

Chama o tratador de exceção do laço de eventos atual.

context é um objeto dict contendo as seguintes chaves (novas chaves podem ser introduzidas em versões futuras do Python):

  • ‘message’: Mensagem de erro;

  • ‘exception’ (opcional): Objeto Exception;

  • ‘future’ (opcional): instância de asyncio.Future;

  • ‘handle’ (opcional): instância de asyncio.Handle;

  • ‘protocol’ (opcional): instância de Protocol;

  • ‘transport’ (opcional): instância de Transport;

  • ‘socket’ (optional): socket.socket instance.

Nota

Este método não deve ser substituído em subclasses de laços de evento. Para tratamento de exceções customizadas, use o método set_exception_handler().

Habilitando o modo de debug

loop.get_debug()

Obtém o modo de debug (bool) do laço de eventos.

O valor padrão é True se a variável de ambiente PYTHONASYNCIODEBUG estiver definida para uma string não vazia, False caso contrário.

loop.set_debug(enabled: bool)

Define o modo de debug do laço de eventos.

Alterado na versão 3.7: O novo Modo de Desenvolvimento do Python agora também pode ser usado para habilitar o modo de debug.

Ver também

O modo de debug de asyncio.

Executando Subprocessos

Métodos descritos nestas sub-seções são de baixo nível. Em código async/await regular, considere usar as funções convenientes de alto nível asyncio.create_subprocess_shell() e asyncio.create_subprocess_exec() ao invés.

Nota

O laço de eventos asyncio padrão no Windows não suporta subprocessos. Veja Suporte a Subprocesso no Windows para detalhes.

coroutine loop.subprocess_exec(protocol_factory, *args, stdin=subprocess.PIPE, stdout=subprocess.PIPE, stderr=subprocess.PIPE, **kwargs)

Cria um subprocesso a partir de um ou mais argumentos de string especificados por args.

args deve ser uma lista de strings representada por:

A primeira string especifica o programa executável, e as strings remanescentes especificam os argumentos. Juntas, argumentos em string formam o argv do programa.

Isto é similar a classe subprocess.Popen da biblioteca padrão ser chamada com shell=False e a lista de strings ser passada como o primeiro argumento; entretanto, onde Popen recebe apenas um argumento no qual é uma lista de strings, subprocess_exec recebe múltiplos argumentos string.

O protocol_factory deve ser um chamável que retorne uma subclasse da classe asyncio.SubprocessProtocol.

Outros parâmetros:

  • stdin pode ser qualquer um destes:

    • um objeto arquivo ou similar representando um encadeamento para ser conectado ao stream de entrada padrão do subprocesso usando connect_write_pipe()

    • a constante subprocess.PIPE (padrão), a qual criará um novo encadeamento e conectar a ele,

    • o valor None, o qual fará o subprocesso herdar o descritor de arquivo deste processo

    • a constante subprocess.DEVNULL, a qual indica que o arquivo especial os.devnull será usado

  • stdout pode ser qualquer um destes:

    • um objeto arquivo ou similar representando um encadeamento para ser conectado ao stream de saída padrão do subprocesso usando connect_write_pipe()

    • a constante subprocess.PIPE (padrão), a qual criará um novo encadeamento e conectar a ele,

    • o valor None, o qual fará o subprocesso herdar o descritor de arquivo deste processo

    • a constante subprocess.DEVNULL, a qual indica que o arquivo especial os.devnull será usado

  • stderr pode ser qualquer um destes:

    • um objeto arquivo ou similar representando um encadeamento para ser conectado ao stream de erro padrão do subprocesso usando connect_write_pipe()

    • a constante subprocess.PIPE (padrão), a qual criará um novo encadeamento e conectar a ele,

    • o valor None, o qual fará o subprocesso herdar o descritor de arquivo deste processo

    • a constante subprocess.DEVNULL, a qual indica que o arquivo especial os.devnull será usado

    • a constante subprocess.STDOUT, a qual irá conectar o stream de erro padrão ao stream de saída padrão do processo

  • Todos os outros argumentos nomeados são passados para subprocess.Popen sem interpretação, exceto bufsize, universal_newlines, shell, text, encoding e errors, os quais não devem ser especificados de forma alguma.

    A API de subprocesso asyncio não suporta decodificar os streams como texto. bytes.decode() pode ser usado para converter os bytes retornados do stream para texto.

Veja o construtor da classe subprocess.Popen para documentação sobre outros argumentos.

Retorna um par (transport, protocol), onde transport conforma com a classe base asyncio.SubprocessTransport e protocol é um objeto instanciado pelo protocol_factory.

coroutine loop.subprocess_shell(protocol_factory, cmd, *, stdin=subprocess.PIPE, stdout=subprocess.PIPE, stderr=subprocess.PIPE, **kwargs)

Cria um subprocesso a partir do cmd, o qual pode ser um str ou uma string de bytes codificada na codificação do sistema de arquivos, usando a sintaxe “shell” da plataforma.

Isto é similar a classe subprocess.Popen da biblioteca padrão sendo chanada com shell=True.

O argumento protocol_factory deve ser um chamável que retorna uma subclasse da classe SubprocessProtocol.

Veja subprocess_exec() para mais detalhes sobre os argumentos remanescentes.

Retorna um par (transport, protocol), onde transport conforma com a classe base SubprocessTransport e protocol é um objeto instanciado pelo protocol_factory.

Nota

É responsabilidade da aplicação garantir que todos os espaços em branco e caracteres especiais sejam tratados apropriadamente para evitar vulnerabilidades de injeção shell . A função shlex.quote() pode ser usada para escapar espaços em branco e caracteres especiais apropriadamente em strings que serão usadas para construir comandos shell.

Tratadores de função de retorno

class asyncio.Handle

Um objeto empacotador de função de retorno retornado por loop.call_soon(), loop.call_soon_threadsafe().

cancel()

Cancela a função de retorno. Se a função de retorno já tiver sido cancelada ou executada, este método não tem efeito.

cancelled()

Retorna True se a função de retorno foi cancelada.

Novo na versão 3.7.

class asyncio.TimerHandle

Um objeto empacotador de função de retorno retornado por loop.call_later(), e loop.call_at().

Esta classe é uma subclasse de Handle.

when()

Retorna o tempo de uma função de retorno agendada como float segundos.

O tempo é um timestamp absoluto, usando a mesma referência de tempo que loop.time().

Novo na versão 3.7.

Objetos Server

Objetos Server são criados pelas funções loop.create_server(), loop.create_unix_server(), start_server(), e start_unix_server().

Não instancie a classe diretamente

class asyncio.Server

Objetos Server são gerenciadores de contexto assíncronos. Quando usados em uma instrução async with, é garantido que o objeto Server está fechado e não está aceitando novas conexões quando a instrução async with estiver completa:

srv = await loop.create_server(...)

async with srv:
    # some code

# At this point, srv is closed and no longer accepts new connections.

Alterado na versão 3.7: Objeto Server é um gerenciador de contexto assíncrono desde o Python 3.7.

close()

Para de servir: fecha soquetes que estavam ouvindo e define o atributo sockets para None.

Os soquetes que representam conexões de clientes existentes que estão chegando são deixados em aberto.

O servidor é fechado de forma assíncrona, use a corrotina wait_closed() para aguartar até que o servidor esteja fechado.

get_loop()

Retorna o laço de eventos associado com o objeto server.

Novo na versão 3.7.

coroutine start_serving()

Começa a aceitar conexões.

Este método é method is idempotente, então ele pode ser cancelado quando o servidor já estiver servindo.

O parâmetro somente-nomeado start_serving para loop.create_server() e asyncio.start_server() permite criar um objeto Server que não está aceitando conexões inicialmente. Neste caso Server.start_serving(), ou Server.serve_forever() podem ser usados para fazer o Server começar a aceitar conexões.

Novo na versão 3.7.

coroutine serve_forever()

Começa a aceitar conexões até que a corrotina seja cancelada. Cancelamento da task serve_forever causa o fechamento do servidor.

Este método pode ser chamado se o servidor já estiver aceitando conexões. Apenas uma task``serve_forever`` pode existir para cada objeto Server.

Exemplo:

async def client_connected(reader, writer):
    # Communicate with the client with
    # reader/writer streams.  For example:
    await reader.readline()

async def main(host, port):
    srv = await asyncio.start_server(
        client_connected, host, port)
    await srv.serve_forever()

asyncio.run(main('127.0.0.1', 0))

Novo na versão 3.7.

is_serving()

Retorna True se o servidor estiver aceitando novas conexões.

Novo na versão 3.7.

coroutine wait_closed()

Aguarda até o método close() completar.

sockets

Lista de objetos socket.socket que o servidor está escutando.

Alterado na versão 3.7: Antes do Python 3.7 Server.sockets era usado para retornar uma lista interna de soquetes do server diretamente. No uma cópia dessa lista é retornada.

Implementações do Laço de Eventos

asyncio vem com duas implementações de laço de eventos diferente: SelectorEventLoop e ProactorEventLoop.

Por padrão asyncio está configurado para usar SelectorEventLoop no Unix e ProactorEventLoop no Windows.

class asyncio.SelectorEventLoop

An event loop based on the selectors module.

Uses the most efficient selector available for the given platform. It is also possible to manually configure the exact selector implementation to be used:

import asyncio
import selectors

selector = selectors.SelectSelector()
loop = asyncio.SelectorEventLoop(selector)
asyncio.set_event_loop(loop)

Disponibilidade: Unix, Windows.

class asyncio.ProactorEventLoop

An event loop for Windows that uses “I/O Completion Ports” (IOCP).

Disponibilidade: Windows.

class asyncio.AbstractEventLoop

Abstract base class for asyncio-compliant event loops.

The Event Loop Methods section lists all methods that an alternative implementation of AbstractEventLoop should have defined.

Exemplos

Note that all examples in this section purposefully show how to use the low-level event loop APIs, such as loop.run_forever() and loop.call_soon(). Modern asyncio applications rarely need to be written this way; consider using the high-level functions like asyncio.run().

Hello World with call_soon()

An example using the loop.call_soon() method to schedule a callback. The callback displays "Hello World" and then stops the event loop:

import asyncio

def hello_world(loop):
    """A callback to print 'Hello World' and stop the event loop"""
    print('Hello World')
    loop.stop()

loop = asyncio.get_event_loop()

# Schedule a call to hello_world()
loop.call_soon(hello_world, loop)

# Blocking call interrupted by loop.stop()
try:
    loop.run_forever()
finally:
    loop.close()

Ver também

A similar Hello World example created with a coroutine and the run() function.

Display the current date with call_later()

An example of a callback displaying the current date every second. The callback uses the loop.call_later() method to reschedule itself after 5 seconds, and then stops the event loop:

import asyncio
import datetime

def display_date(end_time, loop):
    print(datetime.datetime.now())
    if (loop.time() + 1.0) < end_time:
        loop.call_later(1, display_date, end_time, loop)
    else:
        loop.stop()

loop = asyncio.get_event_loop()

# Schedule the first call to display_date()
end_time = loop.time() + 5.0
loop.call_soon(display_date, end_time, loop)

# Blocking call interrupted by loop.stop()
try:
    loop.run_forever()
finally:
    loop.close()

Ver também

A similar current date example created with a coroutine and the run() function.

Watch a file descriptor for read events

Wait until a file descriptor received some data using the loop.add_reader() method and then close the event loop:

import asyncio
from socket import socketpair

# Create a pair of connected file descriptors
rsock, wsock = socketpair()

loop = asyncio.get_event_loop()

def reader():
    data = rsock.recv(100)
    print("Received:", data.decode())

    # We are done: unregister the file descriptor
    loop.remove_reader(rsock)

    # Stop the event loop
    loop.stop()

# Register the file descriptor for read event
loop.add_reader(rsock, reader)

# Simulate the reception of data from the network
loop.call_soon(wsock.send, 'abc'.encode())

try:
    # Run the event loop
    loop.run_forever()
finally:
    # We are done. Close sockets and the event loop.
    rsock.close()
    wsock.close()
    loop.close()

Ver também

Set signal handlers for SIGINT and SIGTERM

(This signals example only works on Unix.)

Register handlers for signals SIGINT and SIGTERM using the loop.add_signal_handler() method:

import asyncio
import functools
import os
import signal

def ask_exit(signame, loop):
    print("got signal %s: exit" % signame)
    loop.stop()

async def main():
    loop = asyncio.get_running_loop()

    for signame in {'SIGINT', 'SIGTERM'}:
        loop.add_signal_handler(
            getattr(signal, signame),
            functools.partial(ask_exit, signame, loop))

    await asyncio.sleep(3600)

print("Event loop running for 1 hour, press Ctrl+C to interrupt.")
print(f"pid {os.getpid()}: send SIGINT or SIGTERM to exit.")

asyncio.run(main())