os.path — Manipulações comuns de nome nomes de caminhos

Código-fonte: Lib/posixpath.py (para POSIX) e Lib/ntpath.py (para Windows NT).


Este módulo implementa algumas funções úteis em nomes de caminho. Para ler ou escrever arquivos, veja open(), e para acessar o sistema de arquivos veja o módulo os. Os parâmetros de caminho podem ser passados como strings ou bytes. As aplicações são encorajadas a representar nomes de arquivos como strings de caracteres (Unicode). Infelizmente, alguns nomes de arquivo podem não ser representados como strings no Unix, então as aplicações que precisam ter suporte a nomes de arquivo arbitrários no Unix devem usar objetos bytes para representar nomes de caminho. Vice-versa, usar objetos bytes não pode representar todos os nomes de arquivos no Windows (na codificação mbcs padrão), portanto, as aplicações do Windows devem usar objetos string para acessar todos os arquivos.

Ao contrário de um shell Unix, Python não faz nenhuma expansão automática de caminho. Funções como expanduser() e expandvars() podem ser invocadas explicitamente quando uma aplicação deseja uma expansão de caminho no estilo do shell. (Veja também o módulo glob.)

Ver também

O módulo pathlib oferece objetos de caminho de alto nível.

Nota

Todas essas funções aceitam apenas bytes ou apenas objetos de string como seus parâmetros. O resultado é um objeto do mesmo tipo, se um caminho ou nome de arquivo for retornado.

Nota

Uma vez que diferentes sistemas operacionais têm diferentes convenções de nome de caminho, existem várias versões deste módulo na biblioteca padrão. O módulo os.path é sempre o módulo de caminho adequado para o sistema operacional em que o Python está sendo executado e, portanto, pode ser usado para caminhos locais. No entanto, você também pode importar e usar os módulos individuais se quiser manipular um caminho que esteja sempre em um dos diferentes formatos. Todos eles têm a mesma interface:

  • posixpath para caminhos no estilo UNIX

  • ntpath para caminhos do Windows

Alterado na versão 3.8: exists(), lexists(), isdir(), isfile(), islink() e ismount() agora retornam False em vez de levantar uma exceção para caminhos que contêm caracteres ou bytes não representáveis no nível de sistema de operacional.

os.path.abspath(path)

Retorna uma versão normalizada e absolutizada do nome de caminho path. Na maioria das plataformas, isso é equivalente a chamar a função normpath() da seguinte forma: normpath(join(os.getcwd(), path)).

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.basename(path)

Retorna o nome base do caminho path. Este é o segundo elemento do par retornado pela passagem de path para a função split(). Observe que o resultado desta função é diferente do programa Unix basename; onde basename para '/foo/bar/' retorna 'bar', a função basename() retorna uma string vazia ('').

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.commonpath(paths)

Retorna o subcaminho comum mais longo de cada nome de caminho na sequência paths. Levanta ValueError se path contiverem nomes de caminho absolutos e relativos, os paths estiverem em unidades diferentes ou se paths estiverem vazios. Ao contrário de commonprefix(), retorna um caminho válido.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Novo na versão 3.5.

Alterado na versão 3.6: Aceita uma sequência de objetos caminho ou similar.

os.path.commonprefix(list)

Retorna o prefixo de caminho mais longo (obtido caractere por caractere) que é um prefixo de todos os caminhos em list. Se list estiver vazia, retorna a string vazia ('').

Nota

Esta função pode retornar caminhos inválidos porque funciona um caractere por vez. Para obter um caminho válido, consulte commonpath().

>>> os.path.commonprefix(['/usr/lib', '/usr/local/lib'])
'/usr/l'

>>> os.path.commonpath(['/usr/lib', '/usr/local/lib'])
'/usr'

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.dirname(path)

Retorna o nome do diretório do nome de caminho path. Este é o primeiro elemento do par retornado passando path para a função split().

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.exists(path)

Retorna True se path se referir a um caminho existente ou um descritor de arquivo aberto. Retorna False para links simbólicos quebrados. Em algumas plataformas, esta função pode retornar False se a permissão não for concedida para executar os.stat() no arquivo solicitado, mesmo se o path existir fisicamente.

Alterado na versão 3.3: path agora pode ser um inteiro: True é retornado se for um descritor de arquivo aberto, False caso contrário.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.lexists(path)

Retorna True se path se referir a um caminho existente. Retorna True para links simbólicos quebrados. Equivalente a exists() em plataformas sem os.lstat().

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.expanduser(path)

No Unix e no Windows, retorna o argumento com um componente inicial de ~ ou ~user substituído pelo diretório inicial daquele usuário user.

No Unix, um ~ no início é substituído pela variável de ambiente HOME se estiver definida; caso contrário, o diretório pessoal do usuário atual é procurado no diretório de senha através do módulo embutido pwd. Um ~user no início é procurado diretamente no diretório de senhas.

No Windows, USERPROFILE será usada se definida; caso contrário, uma combinação de HOMEPATH e HOMEDRIVE será usada. Um ~user no início é tratado retirando o último componente do diretório do caminho do usuário criado, derivado acima.

Se a expansão falhar ou se o caminho não começar com um til, o caminho será retornado inalterado.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.8: Não usa mais HOME no Windows.

os.path.expandvars(path)

Retorna o argumento com as variáveis de ambiente expandidas. Substrings da forma $name ou ${name} são substituídas pelo valor da variável de ambiente name. Nomes de variáveis malformados e referências a variáveis não existentes permanecem inalterados.

No Windows, expansões %name% são suportadas juntamente a $name e ${name}.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.getatime(path)

Retorna a hora do último acesso de path. O valor de retorno é um número de ponto flutuante dando o número de segundos desde a Era Unix (veja o módulo time). Levanta OSError se o arquivo não existe ou está inacessível.

os.path.getmtime(path)

Retorna a hora da última modificação de path. O valor de retorno é um número de ponto flutuante dando o número de segundos desde a Era Unix (veja o módulo time). Levanta OSError se o arquivo não existe ou está inacessível.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.getctime(path)

Retorna o ctime do sistema que, em alguns sistemas (como Unix) é a hora da última alteração de metadados, e, em outros (como Windows), é a hora de criação de path. O valor de retorno é um número que fornece o número de segundos desde a Era Unix (veja o módulo time). Levanta OSError se o arquivo não existe ou está inacessível.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.getsize(path)

Retorna o tamanho, em bytes, de path. Levanta OSError se o arquivo não existe ou está inacessível.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.isabs(path)

Retorna True se path for um nome de caminho absoluto. No Unix, isso significa que começa com uma barra, no Windows começa com uma barra (invertida) depois de eliminar uma possível letra de unidade.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.isfile(path)

Retorna True se path for um arquivo regular existente. Isso segue links simbólicos, então islink() e isfile() podem ser verdadeiros para o mesmo caminho.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.isdir(path)

Retorna True se path for um diretório existente. Isso segue links simbólicos, então islink() e isdir() podem ser verdadeiros para o mesmo caminho.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Retorna True se path se referir a uma entrada de diretório existente que é um link simbólico. Sempre False se links simbólicos não forem suportados pelo tempo de execução Python.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.ismount(path)

Retorna True se o nome de caminho path for um ponto de montagem: um ponto em um sistema de arquivos onde um sistema de arquivos diferente foi montado. No POSIX, a função verifica se o pai de path, path/.., está em um dispositivo diferente de path, ou se path/.. e path apontam para o mesmo nó-i no mesmo dispositivo – isso deve detectar pontos de montagem para todas as variantes Unix e POSIX. Não é capaz de detectar confiavelmente montagens bind no mesmo sistema de arquivos. No Windows, uma raiz de letra de unidade e um UNC de compartilhamento são sempre pontos de montagem e, para qualquer outro caminho, GetVolumePathName é chamado para ver se é diferente do caminho de entrada.

Novo na versão 3.4: Suporte para detecção de pontos de montagem não raiz no Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.join(path, *paths)

Junta um ou mais componentes do caminho de forma inteligente. O valor de retorno é a concatenação de path e qualquer membro de *paths com exatamente um separador de diretório seguindo cada parte não vazia exceto a última, o que significa que o resultado só terminará em um separador se a última parte estiver vazia. Se um componente for um caminho absoluto, todos os componentes anteriores serão descartados e a união continuará a partir do componente do caminho absoluto.

No Windows, a letra da unidade não é redefinida quando um componente de caminho absoluto (por exemplo, r'\foo') é encontrado. Se um componente contiver uma letra de unidade, todos os componentes anteriores serão descartados e a letra da unidade será redefinida. Observe que, como há um diretório atual para cada unidade, os.path.join("c:", "foo") representa um caminho relativo ao diretório atual na unidade C: (c:foo), e não c:\foo.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para path e paths.

os.path.normcase(path)

Normaliza o estado de letras maiúsculas/minúsculas de um nome de caminho. No Windows, converte todos os caracteres do nome do caminho em minúsculas e também converte barras normais em barras invertidas. Em outros sistemas operacionais, retorna o caminho inalterado.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.normpath(path)

Normaliza um nome de caminho retirando separadores redundantes e referências de nível superior para que A//B, A/B/, A/./B e A/foo/../B todos se tornem A/B. Essa manipulação de string pode mudar o significado de um caminho que contém links simbólicos. No Windows, ele converte barras normais em barras invertidas. Para normalizar o estado de letras maiúsculas/minúsculas, use normcase().

Nota

On POSIX systems, in accordance with IEEE Std 1003.1 2013 Edition; 4.13 Pathname Resolution, if a pathname begins with exactly two slashes, the first component following the leading characters may be interpreted in an implementation-defined manner, although more than two leading characters shall be treated as a single character.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.realpath(path)

Retorna o caminho canônico do nome do arquivo especificado, eliminando quaisquer links simbólicos encontrados no caminho (se esses forem suportados pelo sistema operacional).

Nota

Quando ocorrem ciclos de link simbólico, o caminho retornado será um membro do ciclo, mas nenhuma garantia é feita sobre qual membro será.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.8: Links simbólicos e junções agora são resolvidos no Windows.

os.path.relpath(path, start=os.curdir)

Retorna um caminho de arquivo relativo a caminho do diretório atual ou de um diretório start opcional. Este é um cálculo de caminho: o sistema de arquivos não é acessado para confirmar a existência ou natureza de path ou start. No Windows, ValueError é levantada quando path e start estão em unidades diferentes.

start tem como padrão os.curdir.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.samefile(path1, path2)

Retorna True se ambos os argumentos de nome de caminho se referem ao mesmo arquivo ou diretório. Isso é determinado pelo número do dispositivo e número do nó-i e levanta uma exceção se uma chamada os.stat() em qualquer um dos caminhos falhar.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte ao Windows.

Alterado na versão 3.4: O Windows agora usa a mesma implementação que todas as outras plataformas.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.sameopenfile(fp1, fp2)

Retorna True se os descritores de arquivo fp1 e fp2 fazem referência ao mesmo arquivo.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte ao Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.samestat(stat1, stat2)

Retorna True se as tuplas de estatísticas stat1 e stat2 fazem referência ao mesmo arquivo. Essas estruturas podem ter sido retornadas por os.fstat(), os.lstat() ou os.stat(). Esta função implementa a comparação subjacente usada por samefile() e sameopenfile().

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.4: Adicionado suporte ao Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.split(path)

Divide o caminho path em um par, (cabeça, rabo) onde rabo é o último componente do nome do caminho e cabeça é tudo o que leva a isso. A parte rabo nunca conterá uma barra; se path terminar com uma barra, tail ficará vazio. Se não houver uma barra no path, o head ficará vazio. Se path estiver vazio, cabeça e rabo estarão vazios. As barras finais são retiradas da cabeça, a menos que seja a raiz (uma ou mais barras apenas). Em todos os casos, join(cabeça, rabo) retorna um caminho para o mesmo local que path (mas as strings podem ser diferentes). Veja também as funções dirname() e basename().

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.splitdrive(path)

Divide o nome do caminho path em um par (unidade, rabo) onde unidade é um ponto de montagem ou uma string vazia. Em sistemas que não usam especificações de unidade, unidade sempre será a string vazia. Em todos os casos, unidade + rabo será o mesmo que path.

No Windows, divide um nome de caminho em unidade/ponto de compartilhamento UNC e caminho relativo.

If the path contains a drive letter, drive will contain everything up to and including the colon:

>>> splitdrive("c:/dir")
("c:", "/dir")

If the path contains a UNC path, drive will contain the host name and share, up to but not including the fourth separator:

>>> splitdrive("//host/computer/dir")
("//host/computer", "/dir")

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.splitext(path)

Split the pathname path into a pair (root, ext) such that root + ext == path, and the extension, ext, is empty or begins with a period and contains at most one period.

If the path contains no extension, ext will be '':

>>> splitext('bar')
('bar', '')

If the path contains an extension, then ext will be set to this extension, including the leading period. Note that previous periods will be ignored:

>>> splitext('foo.bar.exe')
('foo.bar', '.exe')

Leading periods on the basename are ignored:

>>> splitext('.cshrc')
('.cshrc', '')

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.path.supports_unicode_filenames

True se strings Unicode arbitrárias podem ser usadas como nomes de arquivo (dentro das limitações impostas pelo sistema de arquivos).