readline — GNU readline interface


O módulo readline define uma série de funções para facilitar o autocomplemento e leitura/gravação de arquivos históricos do interpretador Python. Este módulo pode ser usado diretamente ou através do módulo rlcompleter, que provê o autocomplemento de identificadores Python no prompt interativo. As configurações feitas usando este módulo afetam o comportamento do prompt interativo do interpretador e dos prompts oferecidos pela função embutida input().

As combinações de teclas do Readline podem ser configuradas através de um arquivo de inicialização, normalmente .inputrc em seu diretório inicial. Consulte Readline Init File no manual do GNU Readline para obter informações sobre o formato e construções permitidas desse arquivo e os recursos da biblioteca do Readline em geral.

Nota

A API da biblioteca subjacente do Readline pode ser implementada pela biblioteca libedit em vez do GNU readline. No macOS, o módulo readline detecta qual biblioteca está sendo usada em tempo de execução.

O arquivo de configuração do libedit é diferente daquele do GNU readline. Se você carregar strings de configuração programaticamente, você pode verificar o texto “libedit” em readline.__doc__ para diferenciar entre GNU readline e libedit.

Se você usar a emulação de readline do editline/libedit no macOS, o arquivo de inicialização localizado em seu diretório inicial será denominado .editrc. Por exemplo, o seguinte conteúdo em ~/.editrc ativará os atalhos de teclado vi e o autocomplemento de TAB:

python:bind -v
python:bind ^I rl_complete

Arquivo init

As seguintes funções estão relacionadas ao arquivo init e à configuração do usuário:

readline.parse_and_bind(string)

Executa a linha de init fornecida no argumento string. Isso chama rl_parse_and_bind() na biblioteca subjacente.

readline.read_init_file([filename])

Executa um arquivo de inicialização do readline. O nome de arquivo padrão é o último nome de arquivo usado. Isso chama rl_read_init_file() na biblioteca subjacente.

Buffer de linha

As seguintes funções operam no buffer de linha:

readline.get_line_buffer()

Retorna o conteúdo atual do buffer de linha (rl_line_buffer na biblioteca subjacente).

readline.insert_text(string)

Insere texto no buffer de linha na posição do cursor. Isso chama rl_insert_text() na biblioteca subjacente, mas ignora o valor de retorno.

readline.redisplay()

Altera o que é exibido na tela para refletir o conteúdo atual do buffer de linha. Isso chama rl_redisplay() na biblioteca subjacente.

Arquivo de histórico

As seguintes funções operam em um arquivo histórico:

readline.read_history_file([filename])

Carrega um arquivo de histórico do readline e anexa-o à lista de histórico. O nome do arquivo padrão é ~/.history. Isso chama read_history() na biblioteca subjacente.

readline.write_history_file([filename])

Salva a lista de histórico em um arquivo de histórico readline, substituindo qualquer arquivo existente. O nome do arquivo padrão é ~/.history. Isso chama write_history() na biblioteca subjacente.

readline.append_history_file(nelements[, filename])

Anexa os últimos nelements itens do histórico a um arquivo. O nome do arquivo padrão é ~/.history. O arquivo já deve existir. Isso chama append_history() na biblioteca subjacente. Esta função só existe se o Python foi compilado para uma versão da biblioteca que a suporta.

Adicionado na versão 3.5.

readline.get_history_length()
readline.set_history_length(length)

Define ou retorna o número desejado de linhas para salvar no arquivo de histórico. A função write_history_file() usa este valor para truncar o arquivo de histórico, chamando history_truncate_file() na biblioteca subjacente. Valores negativos implicam tamanho ilimitado do arquivo de histórico.

Lista de histórico

As seguintes funções operam em uma lista de histórico global:

readline.clear_history()

Limpa o histórico atual. Isso chama clear_history() na biblioteca subjacente. A função Python só existe se o Python foi compilado para uma versão da biblioteca que a suporta.

readline.get_current_history_length()

Retorna o número de itens atualmente no histórico. (Isso é diferente de get_history_length(), que retorna o número máximo de linhas que serão gravadas em um arquivo de histórico.)

readline.get_history_item(index)

Retorna o conteúdo atual do item do histórico em index. O índice do item é baseado em um. Isso chama history_get() na biblioteca subjacente.

readline.remove_history_item(pos)

Remove o item de histórico especificado por sua posição do histórico. A posição conta a partir de zero. Isso chama remove_history() na biblioteca subjacente.

readline.replace_history_item(pos, line)

Substitui o item de histórico especificado pela sua posição por linha. A posição conta a partir do zero. Isso chama replace_history_entry() na biblioteca subjacente.

readline.add_history(line)

Acrescenta line ao buffer do histórico, como se fosse a última linha digitada. Isso chama add_history() na biblioteca subjacente.

readline.set_auto_history(enabled)

Habilita ou desabilita chamadas automáticas para add_history() ao ler a entrada via readline. O argumento enabled deve ser um valor booleano que, quando verdadeiro, ativa o histórico automático e, quando falso, desativa o histórico automático.

Adicionado na versão 3.6.

Detalhes da implementação do CPython: O histórico automático está ativado por padrão e as alterações não persistem em várias sessões.

Ganchos de inicialização

readline.set_startup_hook([function])

Define ou remove a função invocada pelo retorno de chamada rl_startup_hook da biblioteca subjacente. Se function for especificada, ela será usada como a nova função de gancho; se omitido ou None, qualquer função já instalada será removida. O gancho é chamado sem argumentos antes de readline imprimir o primeiro prompt.

readline.set_pre_input_hook([function])

Define ou remove a função invocada pelo retorno de chamada rl_pre_input_hook da biblioteca subjacente. Se function for especificada, ela será usada como a nova função de gancho; se omitida ou None, qualquer função já instalada será removida. O gancho é chamado sem argumentos após a impressão do primeiro prompt e pouco antes de readline começar a ler os caracteres de entrada. Esta função só existe se o Python foi compilado para uma versão da biblioteca que a suporta.

Autocomplemento

As funções a seguir estão relacionadas à implementação de uma função personalizada de autocomplemento ou completion, em inglês, de palavras. Isso normalmente é operado pela tecla Tab e pode sugerir e completar automaticamente uma palavra que está sendo digitada. Por padrão, Readline está configurado para ser usado por rlcompleter para completar identificadores Python para o interpretador interativo. Se o módulo readline for usado com um autocomplemento personalizado, um conjunto diferente de delimitadores de palavras deverá ser definido.

readline.set_completer([function])

Define ou remove a função de autocomplemento. Se function for especificada, ela será usada como a nova função de autocomplemento; se omitido ou None, qualquer função de autocomplemento já instalada será removida. A função de autocomplemento é chamada como function(text, state), para state em 0, 1, 2, …, até retornar um valor que não seja string. Deve retornar o próximo autocomplemento possível começando com text.

A função de autocomplemento instalada é invocada pelo retorno de chamada entry_func passado para rl_completion_matches() na biblioteca subjacente. A string text vem do primeiro parâmetro para o retorno de chamada rl_attempted_completion_function da biblioteca subjacente.

readline.get_completer()

Obtém a função de autocomplemento ou None se nenhuma função de autocomplemento tiver sido definida.

readline.get_completion_type()

Obtém o tipo de autocomplemento que está sendo tentado. Isso retorna a variável rl_completion_type na biblioteca subjacente como um número inteiro.

readline.get_begidx()
readline.get_endidx()

Obtém o índice inicial ou final do escopo de autocomplemento. Esses índices são os argumentos start e end passados para o retorno de chamada rl_attempted_completion_function da biblioteca subjacente. Os valores podem ser diferentes no mesmo cenário de edição de entrada com base na implementação de C readline subjacente. Por exemplo, sabe-se que o libedit se comporta de maneira diferente do libreadline.

readline.set_completer_delims(string)
readline.get_completer_delims()

Define ou obtém os delimitadores de palavras para autocomplemento. Estes determinam o início da palavra a ser considerada para autocomplemento (o escopo de autocomplemento). Essas funções acessam a variável rl_completer_word_break_characters na biblioteca subjacente.

readline.set_completion_display_matches_hook([function])

Define ou remove a função de exibição de autocomplemento. Se function for especificada, ela será usada como a nova função de exibição de autocomplemento; se omitida ou None, qualquer função de exibição de autocomplemento já instalada será removida. Isso define ou limpa o retorno de chamada rl_completion_display_matches_hook na biblioteca subjacente. A função de exibição de autocomplemento é chamada como function(substitution, [correspondências], comprimento_da_correspondência_mais_longa) uma vez que cada correspondência precisa ser exibida.

Exemplo

O exemplo a seguir demonstra como usar as funções de leitura e gravação de histórico do módulo readline para carregar e salvar automaticamente um arquivo de histórico chamado .python_history do diretório inicial do usuário. O código abaixo normalmente seria executado automaticamente durante sessões interativas do arquivo PYTHONSTARTUP do usuário.

import atexit
import os
import readline

histfile = os.path.join(os.path.expanduser("~"), ".python_history")
try:
    readline.read_history_file(histfile)
    # default history len is -1 (infinite), which may grow unruly
    readline.set_history_length(1000)
except FileNotFoundError:
    pass

atexit.register(readline.write_history_file, histfile)

Na verdade, este código é executado automaticamente quando o Python é executado no modo interativo (veja Configuração Readline).

O exemplo a seguir atinge o mesmo objetivo, mas oferece suporte a sessões interativas simultâneas, anexando apenas o novo histórico.

import atexit
import os
import readline
histfile = os.path.join(os.path.expanduser("~"), ".python_history")

try:
    readline.read_history_file(histfile)
    h_len = readline.get_current_history_length()
except FileNotFoundError:
    open(histfile, 'wb').close()
    h_len = 0

def save(prev_h_len, histfile):
    new_h_len = readline.get_current_history_length()
    readline.set_history_length(1000)
    readline.append_history_file(new_h_len - prev_h_len, histfile)
atexit.register(save, h_len, histfile)

O exemplo a seguir estende a classe code.InteractiveConsole para prover salvamento/restauração do histórico.

import atexit
import code
import os
import readline

class HistoryConsole(code.InteractiveConsole):
    def __init__(self, locals=None, filename="<console>",
                 histfile=os.path.expanduser("~/.console-history")):
        code.InteractiveConsole.__init__(self, locals, filename)
        self.init_history(histfile)

    def init_history(self, histfile):
        readline.parse_and_bind("tab: complete")
        if hasattr(readline, "read_history_file"):
            try:
                readline.read_history_file(histfile)
            except FileNotFoundError:
                pass
            atexit.register(self.save_history, histfile)

    def save_history(self, histfile):
        readline.set_history_length(1000)
        readline.write_history_file(histfile)